segunda-feira, 16 de junho de 2008

Olha a bunda dela!

Há meses ensaio para inaugurar um blog, colocar na rede idéias, reflexões, notícias, trajetos e tantas outras coisinhas, mas adiava, era preguiça mesmo. No entanto, a “manchete" acima foi decisiva, não podia mais esperar.

Pensava em inaugurá-lo na minha pesquisa de campo do mestrado, com as sujeitas que são meus objetos de estudo: mulheres encarceradas, negras e grávidas da Penitenciária Feminina de Santana. Não pude esperar.

Numa banca de jornal nada rebuscada, na ZN de São Paulo, sabadão, estávamos em família. O maridinho estava na caça de umas revistas, eu ia atrás de outras e o filho observava e folheava sem jeito páginas coloridas de super-heróis, Turma da Mônica e o que mais tivesse ao seu alcance e chamasse a atenção.

Tinha Veja, Cláudia, Caros Amigos e tantas outras .

Enquanto pagávamos ao senhor do caixa, certamente o dono daquele espaço, fomos surpreendidos, pais jovens que somos, pela exclamação do rebento: “Olha, mãe, a bunda dela”! Era a bunda tatuada da Mulher Melancia, na capa da Playboy.

Um tanto desconcertada, confesso, na banca cheia de gente, peguei delicadamente a revista da mão da criança, dizendo um “é, filho” e nada mais. Os pequenos insistem quando a resposta é insuficiente. Ele estava satisfeito, não precisou de outros comentários.

Eu fiquei pensativa. As "pegadinhas" dos filhos começam cedo e exercitam o molejo na cintura e a reflexão na cabeça. Do que se faz a atualidade? Sem prévias conclusões, meu rebento tem apenas três anos.

2 comentários:

Daniela disse...

Pois é, nessa idade eles se conformam com isso, espere mais uns dez anos pra ver a expressão do garoto kkkkkkkkkk.
bjão

Paula Leão disse...

Ainda acho lindo os rebentos...Mesmo sendo eternos, curiosos e crescendo entre vários peitos, bundas, drogas...Nossos medos e receios!!! Ui!